domingo, 21 de junho de 2015

A TRANSCENDENTE IMPORTÂNCIA DO ÓBVIO.

Normalmente passamos uma parte da nossa Vida à espera de acontecimentos extraordinários.

O ritmo e forma de como a informação nos chega, molda-nos a atenção de forma a desprezar ou pelo menos minimizar – a importância do singelo, daquilo que é quotidiano e que, por assim dizer, acaba por constituir uma elevadíssima percentagem dos acontecimentos que se passam à nossa volta e também dos nossos próprios actos.

Diz-se que o jovem Sidartha, futuro Buda, a primeira vez que conseguiu sair da gaiola dourada que o protegia do mundo exterior, sentou-se debaixo de uma árvore observando um homem que esforçadamente conduzia um arado, puxado por uma poderosa junta de búfalos, lavrando um solo duro e difícil.

Enquanto Sidartha observava impressionado o esforço do homem, um pequeno pássaro sobrevoou a parte já arada do campo, e numa manobra rápida, apanhou um verme que se contorcia sobre o terreno seco.

Nesse momento Sidartha apercebeu-se de que todas as coisas no mundo estão relacionadas, pois se aquele homem não tivesse lavrado aquele campo, não teria desenterrado aquela minhoca, a qual não teria sido apanhada por aquele pássaro.

Possivelmente a minhoca teria sido poupada para continuar o seu misterioso destino na escuridão do subsolo e o pássaro ter-se-ia contentado com um insecto, o qual deixaria de polinizar uma série de plantas.

Esta constatação, embora de uma simplicidade cristalina, escapa-se-nos muitas vezes, pois a nossa atenção está mais virada para nós próprios do que para o papel que poderemos desempenhar no Mundo e na Sociedade.

Cada pequeno acto da Natureza ou da Vida, influencia de forma muito sub-reptícia todo o futuro do mundo. Muitos pequenos actos, relacionados e potenciados por outros pequenos actos ou acontecimentos, moldarão inevitavelmente o futuro, de uma forma tão sensível que esse mesmo futuro será sempre diferente se algum desses pequenos actos não for praticado.

De que forma podemos ajuizar quando a recusa de uma simples moeda a um mendigo, de um empréstimo a um amigo necessitado ou até a necessária montagem de uma ratoeira na nossa dispensa, poderá alterar o nosso futuro?

Jamais o poderemos avaliar!

Esta constatação acaba por nos atribuir responsabilidades mais pesadas, pois irá sempre obrigar-nos a ponderar todas as nossas acções e a olhar o Mundo e a Vida com redobrada atenção e sentido de responsabilidade.

Será pois talvez a hora de abrirmos os nossos sentidos e a nossa mente a tudo o que se passa à nossa volta, e sermos capazes de nos maravilhar com a simplicidade do que é óbvio e singelo.

Sem comentários: